foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

30 de novembro de 2009

O IMBONDEIRO (BAOBÁ)

Apresento-vos o IMBONDEIRO, uma árvore que simboliza a africanidade. O imbondeiro é uma árvore mítica e mística, um verdadeiro símbolo de Angola e tantas vezes mencionada neste blogue e na minha poesia.


Imbondeiros ao por-do-sol

O imbondeiro é considerado uma árvore sagrada, inspirando poesias, ritos e lendas. Segundo uma antiga lenda africana, por exemplo, uma vez que um morto seja sepultado dentro de um imbondeiro, a sua alma irá viver enquanto a planta existir. Também se diz que a alma dos mortos se penduram nos seus ramos. Curiosamente, essa árvore tem uma vida muito longa, podendo chegar até seis mil anos. Só a sequóia e o cedro japonês podem competir com a longevidade do imbondeiro. Cabe salientar que esta planta foi amplamente divulgada no século XX, através da obra O Pequeno Príncipe, do escritor francês Antoine de Saint-Éxupery.


Tela de Neves e Sousa (Angola)

O seu nome científico é Adansonia Digitata, mas é também conhecida como Baobá Africano. O imbondeiro possui um tronco muito espesso na base, chegando a atingir até nove metros de diâmetro. O seu tronco vai-se estreitando em forma de cone e apresenta grandes protuberâncias. As folhas brotam entre os meses de julho e janeiro. Em geral, o imbondeiro floresce durante uma única noite, apenas, no período de maio a agosto. Durante as poucas horas da abertura das flores, os consumidores de néctares nocturnos - particularmente os morcegos -, procuram assegurar a polinização da planta.

Tudo no imbondeiro serve para a sobrevivência do ser humano. Vale ressaltar que esta árvore também se constitui em uma fonte preciosa de medicamentos. As suas folhas são ricas em cálcio, ferro, proteínas e lipídios, para além de serem usadas como um poderoso anti-diarreico e para combater febres e inflamações. Um pó feito de folhas secas vem sendo utilizado para combater a anemia, o raquitismo, a disenteria, o reumatismo, a asma, e é usado, ainda, como um tónico.


Flor do imbondeiro, com duas jovens múcuas.

O seu fruto é denominado múcua. A casca do fruto, é utilizada pelas pessoas como tigelas. A polpa e a fibra de seus frutos são capazes de combater a diarreia, a disenteria e o sarampo. O cerne da fruta combate a febre e inflamações no tubo digestivo; as sementes estão repletas de óleo vegetal, podendo ser assadas, moídas e consumidas como uma bebida que pode substituir o café.

Derrubar um imbondeiro é um sacrilégio em Angola. No que diz respeito à construção e carpintaria, ele só é utilizado quando não há um outro material mais adequado. A sua madeira serve para a construção de instrumentos musicais e o seu cerne rende uma fibra forte usada no fabrico de cordas e linhas.

Múcua, fruto do imbondeiro (aberto ao meio)
 
 
No tempo das chuvas
 
 
Nota: Há quem escreva embondeiro, mas em Angola é geralmente escrito imbondeiro. Etimologicamente, tem origem na palavra mbondo, do idioma Kimbundu.



MÚCUAS



As múcuas sempre me fizeram lembrar lágrimas
negras a escorrer de mãos digitais em desespero.


Múcua:
fruto mácula
veludo a pingar
mágoa negra
lágrima seca a chorar
escorrendo nos braços
mãos-imbondeiro
abertas aos céus
anunciando a crescer
desespero da terra
povo inteiro
múcua, mákua, mágoa
lágrima negra imbondeiro
a chorar.


Namibiano Ferreira

As múcuas, parecendo ratos pendurados pelo rabo.
 


18 comentários:

Moacy Cirne disse...

Um bom texto, um bom poema. Espero publicá-lo em breve no Balaio. Em tempo: temos em Natal um famoso baobá, conhecido como o Baobá do Poeta., já que se encontra numa pequena propriedade do poeta Diógenes da Cunha Lima, na própria cidade, que a adquiriu apenas para que a especulação imobiliária não o derrubasse.
Kandandu/abraço.

Meg disse...

Nami,

Belíssimo este post sobre os "nossos" imbondeiros.
Não conhecia alguns detalhes e fiquei maravilhada também com as imagens... e o Neves e Sousa sempre presente,

As múcuas sempre me fizeram lembrar lágrimas
negras a escorrer de mãos digitais em desespero
.

Se olharmos com olhos de sentir, é isso mesmo, Nami...

Um abraço

nina rizzi disse...

Namibiano, já havia lido e vc se garante: é imboeniro, que bom pra nós. Sua árvore-poema grita Angola, camarada.

Coincidência ou não, hoje publiquei uma lenda angolana.

Um beijo, visse.

nina rizzi disse...

ah, sim: a múcua parece pulmões; já a flor, putamadre! que sensual.

beijo.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Moacy, sei que no Brasil existem alguns imbondeiros, noeadamente um no Recife, creio que na Praca da República.
Bonita atitude do poeta para sorte do imbondeiro. Das várias coisas que sao sacrilégio em Angola, uma é derrubar imbondeiros e a outra matar andorinhas (piápias, em Umbundu) pois piápia é passarinho de Suku, Deus.
Kandandu

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Meg, ainda bem que gostastes da postagem. O imbondeiro é um grande e místico fascínio desde que me sei gente.
Bjs

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Nina,
Salvé o IMBONDEIRO!!!
Obrigado pelo comentário.
Kandandu mwangolé!!

ELCAlmeida disse...

Meu caro, em Nambuagongo, alguns quilómetros de Luanda, existe (penso que ainda existe porque não pude lá ir há pouco tempo) um Imbondeiro que tinha mais de 12 metros de diãmetro onde fizeram uma capela.
Abraços e felicidades para a nova Antologia
Eugénio Almeida

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Meu Caro, obrigado. Estará a falar da capela do Grafanil????
Abracos

Giselly Lima disse...

Achei a múcua e o imbodeiro parecido com o jatobá (nome que se dá à árvore e ao fruto). Tinha um desses na margem do rio da minha cidade. Dava nove ao porto perto da minha casa. Pulava de suas raízes pra dentro do rio, pra dentro da felicidade.

Rosita de Palma disse...

Muito lindo Namibiano,

Gostei imenso deste post.

Parabéns, enfim vejo bem retratada a historia e valor cultural do imbondeiro.

jeidson disse...

eu sou um apaixonado pelo livro O PEQUENO PRINCIPE, da onde conheci essa arvore maravilhosa que é o baobá. nao a conhecia de fotos, mas agora fiquei encantado em ver a foto da arvore com suas flores e seus frutos. parabens ao proprietario do site.

Esperança disse...

Caro irmão planetário,

Achei seu espaço muito diferente e especial. Depois - que lindo esse poema sobre as MÚCUAS. Que profundidade de sentimentos. Parabéns.

Abraços de luz

Hospital Espiritual do Mundo

Celina Dutra disse...

Namibiano Ferreira,

Trabalhei durante 10 anos em Angola. Recentemente iniciei o blog Colheita de Girassóis. Quero mostrar nele um pouco de Angola. Tenho reverência e fascínio pelo imbondeiro (como em Angola). Fui pesquisar na net sobre ele... Encontrei este seu trabalho belo, que explica tudo que gostaria de mostrar, e cuja conclusão é seu poema MÚCUAS, que me emocionou.

Pretendo fazer o link do seu texto com meu imbondeiro. Se houver qualquer problema, por favor, me avise que retiro o link. celinadutra@gmail.com

Obrigada por tudo de belo que você espalha no mundo.

Abraço.

Celina

Fátima de Sá disse...

Prezado Namibiano Ferreira, peço desculpas por ter publicado um dos seus poemas sem pedir a devida permissão [citei a fonte], pois só vi seu aviso após ter feito a publicação. O poema sobre o fruto do Imbondeiro está em minha página no Facebook: Fátima Pereira.

Odete disse...

Adorei o seu blog. Fez-me reviver os anos da minha infância passados entre Lucira, Moçâmedes (Namibe, Porto Alexandre (Tômbwa) e Benguela... Maravilha!... Vou escolher um dos seus poemas, tão simples quantos intensos, para publicar no meu blog. Posso?
Felicidades,
Odete

Cristine Bhadram Artista Plástica e Arteterapeuta disse...

Parabéns pela poesia, linda!
Estou pesquisando sobre os Baobás para um plano de aula. Por acaso você conhece alguma música com o tema da árvore ou seu fruto...agradeço.

cristine

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Cristine,

Obrigado plea visita e comentário, mas infelizmente nao conheco nenhuma musica.

Namibiano